A ONU/FAO promove o Ano Internacional dos Solos

ano internacional dos solos

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) declarou 2015 o Ano Internacional dos Solos

Isso significa que durante todo esse ano a FAO vai trabalhar com governos, ONG’s, setor privado e demais partes interessadas. O objetivo é alcançar total reconhecimento da importância dos solos para a segurança alimentar, a adaptação às mudanças climáticas, os serviços essenciais dos ecossistemas, a mitigação da pobreza e o desenvolvimento sustentável.

A iniciativa da FAO sustenta-se no dado de que 33% das terras do planeta estão degradadas, seja por razões físicas, químicas ou biológicas, o que é evidenciado em uma redução da cobertura vegetal, na diminuição da fertilidade, na contaminação do solo e da água e, devido a isso, no empobrecimento das colheitas.

 

Ano Internacional dos Solos e Lixo Zero

A compostagem é considerada como destinação final ambientalmente adequada não apenas na concepção Lixo Zero, na qual todo resíduo deve ter destinação adequada a fim de fechar o ciclo e não haver sobras no processo, mas também pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (Art3º, VII – PNRS 12305/10).

Além disso, a PNRS versa sobre sua implantação em âmbito municipal:

Artigo 36.  No âmbito da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, cabe ao titular dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, observado, se houver, o plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos: 

V – implantar sistema de compostagem para resíduos sólidos orgânicos e articular com os agentes econômicos e sociais formas de utilização do composto produzido;

 

Os benefícios do “composto” na preservação e conservação dos solos

compostagem_aplicacao

A compostagem é a reciclagem da matéria orgânica. O resultado da compostagem é o composto.

Basicamente a compostagem é a transformação dos “restos de comida” e do “lixo de jardinagem” em adubo/composto.

Altamente rico em nutrientes minerais como nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre e em micronutrientes como ferro, zinco, cobre, manganês, boro, o composto é assimilado em grandes quantidades pelas raízes sendo uma fonte de nutrientes de matéria orgânica estabilizada para ser usado em solos de jardins e hortas, contribuindo para a melhoria da qualidade do solo.

No Brasil, quase cem mil toneladas de resíduos sólidos são geradas por dia. Dessas, cinquenta mil toneladas são constituídas de resíduos orgânicos que, no entanto, somente 1500 toneladas são compostadas em apenas 211 municípios dentre os 5570 municípios brasileiros.  A meta brasileira de compostagem deveria visar um número muito maior e expandi-lo progressivamente.

Para elevarmos esse número a compostagem deve ser planejada, conforme o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, com o objetivo de atender as demandas:

-individuais, com a compostagem residencial;

-de um determinado grupo, em escolas, clubes, associações, condomínios, etc;

– e em larga escala com coleta seletiva dos resíduos orgânicos e o encaminhamento a usinas de compostagem.

Do “lixo” ao adubo em casa? 

Conhecida como compostagem residencial, para se fazer a compostagem em casa, é preciso antes de mais nada avaliar o espaço disponível e escolher o método mais adequado. As composteiras domésticas podem ser desenvolvidas para pequenas áreas e para apartamentos.

Entre os alimentos a serem compostados estão preferencialmente os resíduos orgânicos crus e não tão cítricos que devem ser misturados e cobertos com resíduos vegetais como cerragem e folhas secas.

A técnica é simples e eficaz e envolve a degradação biológica da matéria orgânica, em presença de oxigênio do ar, sob condições controladas pelo homem. Os produtos do processo de decomposição são: gás carbônico, calor, água e a matéria orgânica “compostada”.

info_minhocario_grande_1608treze

Benefícios da COMPOSTAGEM

Com a prática da compostagem a geração de “lixo” é reduzida e a riqueza do composto = adubo é reintroduzida no solo, fechando o ciclo e beneficiando inúmeros aspectos da nossa vida em sociedade.

Algumas considerações dos benefícios do uso do composto/adubo para o solo:

– Estímulo ao desenvolvimento das raízes das plantas, que se tornam mais capazes de absorver água e nutrientes do solo.

– Aumento da capacidade de infiltração de água, reduzindo a erosão.

– Mantém estáveis a temperatura e os níveis de acidez do solo (pH).

– Dificulta ou impede a germinação de sementes de plantas invasoras (daninhas).

– Ativa a vida do solo, favorecendo a reprodução de microorganismos benéficos às culturas agrícolas.

A técnica da compostagem, assim como as outras destinações adequadas dos nossos diferentes resíduos, tem por objetivo considerar as preocupações ambientais, sociais e econômicas mundiais, porém visando os benefícios locais e nos tornando cada vez mais responsáveis e conscientes do “lixo” que geramos individualmente.

Se você tem interesse em aprender a compostar seus resíduos orgânicos na oficina de compostagem da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, a ser realizada em breve, por favor escreva para: lixozeroitba@gmail.com, e deixe seu nome, telefone,  email e se possível o porquê do seu interesse.

Fontes:

http://planetaorganico.com.br/site/index.php/compostagem/

http://www.fao.org/americas/noticias/ver/pt/c/270863/

http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/121009_relatorio_residuos_solidos_urbanos.pdf

Anúncios

Logística reversa de lâmpadas tem acordo setorial assinado. Post por MMA – Ministério do Meio Ambiente

Martim Garcia/MMA
Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida

Cerimônia aconteceu nesta quinta-feira (27/11) em Brasília com representantes do setor

Por: Rafaela Ribeiro e Tinna Oliveira – Edição: Vicente Tardin

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e entidades representativas do setor de lâmpadas fluorescentes de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista assinaram, nesta quinta-feira (27/11), em Brasília, acordo setorial que estabelece a logística reversa desses produtos.

O acordo está previsto na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), de 2010. A lei que institui a política (12.305/2010) prevê que fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de um determinado produto que possa causar danos ao meio ambiente ou à saúde humana criem um sistema de recolhimento e destinação final independente dos sistemas públicos de limpeza urbana.

A ministra Izabella Teixeira considerou um avanço assinar esse acordo que leva a novos caminhos para o desenvolvimento do país, destacando que a logística reversa reflete uma mudança de cultura. “Agora temos como desafio a capacidade de implantação do acordo, olhando para um país de dimensões continentais”. Também reforçou a importância de continuar avaliando os mecanismos e inserindo novos atores nos processos.

O acordo é válido por dois anos contados a partir da sua assinatura. Ao final desse período, deverão ser revisados a fim de incorporar os ajustes que se fizerem necessários para o seu bom funcionamento e a sua ampliação para o restante do país. O acordo garante retorno dos resíduos (aquilo que tem valor econômico e pode ser reciclado ou reutilizado) à indústria, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos.

NEGOCIAÇÃO

O acordo prevê responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e propicia que esses materiais, depois de usados, possam ser reaproveitados. A proposta passou por consulta pública e aprovação do Comitê Orientador para a Implantação da Logística Reversa (CORI). O Comitê é composto por representantes dos ministérios do Meio Ambiente, Saúde, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Agricultura e Abastecimento e Fazenda.

Ney Maranhão, secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do MMA, enfatizou a construção progressiva do acordo. “Daqui a dois anos vamos revisar, aprendendo com a experiência e informando cada lado com transparência”, disse. Ele falou também sobre a postura inovadora da indústria que, ao fazer parte deste acordo, ganha um grande diferencial.

Fazem parte do acordo:

  • Alumbra Produtos Elétricos e Eletrônicos
  • Brasilux Ind. Com. Imp. Exp. Ltda
  • Bronzearte Ind. e Comércio Ltda
  • Biosfera Importadora e Distribuição Ltda
  • DMP Equipamentos Ltda
  • Eletro Terrível Ltda
  • Eletromatic Controle e Proteção Ltda
  • Elgin S/A
  • Foxlux
  • Ideal Importação e Exportação Ltda
  • Kian Importação Ltda
  • LPS Distribuidora e Materiais Elétricos
  • Lorenzetti Ind. Brasileiras Eletrometalurgicas
  • Marschall Ind. Com. Imp. Exp. Ltda
  • Melcor Distribuidora Ltda
  • Multimercantes Ltda
  • New Satélite Materiais Elétricos
  • Panasonic Distribuidora do Brasil
  • Paulista Business Imp. Exp. Ltda
  • Remari Comércio Ltda.
  • Spectrum Brands Brasil e Ind. e Comércio
  • Rov Holding INC
  • Associação Brasileira da Indústria de Iluminação
  • GE Iluminação do Brasil Com. de Lâmpadas Ltda.
  • Havells-Sylvania Brasil Iluminação Ltda.
  • Osram do Brasil Ltda.
  • Philips do Brasil Ltda.
  • Ourolux
  • Associação Brasileira de Importadores de Produtos de Iluminação
  • R&D Comércio e Importadores de Materiais Elétricos
  • Confederação Nacional do Comércio
  • Confederação Nacional da Indústria

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) – Telefone: 61.2028 1227

Como funciona uma cooperativa de reciclagem

copercicla

As cooperativas de reciclagem são um dos instrumentos mais importantes para a GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS, proposta pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS 12.305/10). A importância das cooperativas está no recolhimento, separação, armazenamento e venda dos materiais recicláveis uma vez separados pelos cidadãos e coletados pelos cooperados.

 Para o bom funcionamento de uma cooperativa é preciso estrutura administrativa, infraestrutura e uma boa e viável instalação física.

A estrutura administrativa suporta as operações, tais como elaboração de planilhas de controle, organização de sistemas e métodos, contas a pagar e receber e vendas.

 A infraestrutura e os equipamentos de separação e transformação agregam valor aos materiais.

As instalações garantem o armazenamento até um alto volume dos materiais. Dessa forma os preços podem ser melhor negociados, e de preferência, sem atravessadores.

O sucesso e a eficiência de uma cooperativa dependem necessariamente desses fatores.

Copercicla – Cooperativa de Reciclagem de Ituiutaba

A sociedade Ituiutabana tem a boa sorte de contar com a Copercicla – Cooperativa de Reciclagem de Ituiutaba. A Copercicla possui 11 anos de atividade, baseada nos valores e princípios do Cooperativismo, e tem por objetivo realizar a coleta seletiva dos resíduos sólidos na cidade de Ituiutaba.

A evolução da quantidade anual de material reciclável, entre 2009 e 2012, pode ser observada na tabela abaixo (em Kg)

Tabela evolucao copercicla 2009 a 2012

Capacidade Instalada da Copercicla

O aumento de aproximadamente 380 toneladas em três anos (2009 a 2012) nos chama a atenção para capacidade de armazenamento e de trabalho nas instalações da Copercicla. O aumento de materiais recicláveis nas instalações pode ser percebido mesmo do lado de fora do galpão, basta passar na porta e ver o acúmulo de materiais recicláveis em frente à sede.

O aumento do volume de materiais recicláveis coletados é o objetivo da gestão integrada de resíduos sólidos e de uma sociedade lixo zero. Contudo para que as campanhas de conscientização e chamamento da população para a correta separação dos recicláveis não seja um tiro no pé é necessário investir em infraestrutura e instalações físicas da Copercicla.

A necessidade imediata da Copercicla – Cooperativa de Reciclagem de Ituiutaba, e o que deve ser uma das prioridades da gestão de resíduos de Ituiutaba, é ampliação do galpão de triagem e armazenamento.

 Uma vez conquistado, partiremos para o desafio do aumento do volume de recicláveis coletados (atualmente gira em torno de 3% em Ituiutaba. São Paulo visa alcançar o índice de 10% até 2016) e o desenvolvimento do mercado de reciclagem em Ituiutaba.

Dessa forma, lançando mão de usinas locais de RECICLAGEM, poderemos incentivar e incrementar a coleta de recicláveis em Ituiutaba, além de atender as inúmeras cidades da região evitando os prejuízos de custo que a logística impõe.

Acesse o site da Copercicla e conheça mais: http://www.copercicla.com/

Para contribuir com ideias e/ou ações escreva para: lixozeroitba@gmail.com ou comente aqui no blog.

Aterro Sanitário: conheça o de Ituiutaba

O Aterro Sanitário é o local adequado para destinarmos a parte dos resíduos que não tem utilidade, os rejeitos. O aterro sanitário possui técnicas de segurança que protegem o solo, o lençol freático e a atmosfera. Por meio de medidas que visam impermeabilizar o solo, coletar o chorume (líquido do lixo) e captar o gás metano (o mais poluente dos gases efeito estufa) o aterro sanitário é a única forma admitida pela Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS (12.305/10) para a destinação dos rejeitos.

AterroSanitário Polita Goncalves

Aterro sanitário de Ituiutaba

Ituiutaba possui um aterro sanitário desde 2004. Construído seis anos antes da sanção da PNRS seu projeto contemplou as exigências legais. O projeto dispõe de espaço para compostagem de resíduos orgânicos, para trituração de resíduos de construção, conta com instalações para a coleta de chorume, e galpão para armazenamento temporário de resíduos especiais. Ele conta ainda com um prédio para abrigar o centro de pesquisa e a administração, além de ser todo cercado evitando a presença de pessoas e de animais, garantindo a contenção de resíduos que podem ser deslocados com o vento principalmente as sacolinhas plásticas de supermercado.

 

Lixo Zero e Vida útil do aterro sanitário

O aumento da vida útil de um aterro sanitário deve ser controlada com a seguinte conta: quanto mais integrada for a gestão dos resíduos menor será o volume de resíduos enviados ao aterro sanitário, aumentando assim sua vida útil.

O conceito “lixo zero” utiliza-se de tecnologias, programas e processos que permitam buscar ao longo do tempo a META DA NÃO UTILIZAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO como elemento de destinação final dos resíduos sólidos urbanos.

Como exemplo de município “lixo zero” temos Capannori, na Itália; e de empresa “lixo zero”, a Whirlpool. Ambas priorizaram outras formas de destinação de resíduos como reaproveitamento, reuso, reciclagem minimizando ao máximo o uso do aterro sanitário.

 

Fontes:

http://www.whirlpool.com.br/2013/01/whirlpool-reduz-o-envio-de-residuos-para-aterros/

http://www.jornaldopontal.com.br/index.php?ac=news&id=11465

http://www.lixo.com.br/content/view/144/251/

Programa Ituiutaba Recicla

Plataforma Ituiutaba Lixo Zero: Saldo positivo em 2014 e belas possibilidades para 2015

desafio lixozeroComeço de ano é assim, tempo de reflexão.

Para a Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, que nasceu ano passado e continua em 2015, essas reflexões nos apresentam o belo trabalho iniciado junto às inúmeras e valiosíssimas parcerias e todas as possibilidades para o ano que se inicia.

Belo Trabalho

As realizações da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, entre os meses de março a junho de 2014, contam com dez eventos, nos quais os temas principais foram a coleta seletiva, a logística reversa e a gestão integrada de resíduos sólidos. Elas foram temas também nas pílulas veiculadas nas rádios do sistema Cancella, nas colunas PILZ publicadas semanalmente no Diário Regional e nos artigos gentilmente escritos por grandes colaboradores para a Revista PILZ – “A coleta seletiva em Ituiutaba e os dez anos da Copercicla”. A correta separação para a coleta seletiva foi o mote para o mutirão realizado no residencial Portal dos Ipês enquanto que RE-Pensar nossas ações foi o tema da mostra de cinema ambiental organizada junto à FACIP-UFU, Pet-Geo, Cultura Livre e Câmara Municipal de Ituiutaba.

Parcerias Valiosas

A Plataforma se tornou realidade através das diversas parcerias institucionais e especialmente através da parceria valiosíssima do professor do IFTM Humberto Minéu, que além de trazer todo o seu conhecimento trouxe também sua organização, disciplina e boa-vontade.

Por meio das parcerias da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero e do patrocínio da Eccolog Logística Ambiental, o tema resíduos sólidos foi abordado e discutido em diferentes esferas da sociedade Ituiutabana e, claro, dentro das instituições parceiras, a saber: Cooperativa de Reciclagem de Ituiutaba – Copercicla, os poderes públicos executivo, legislativo e judiciário e CFL Engenharia Ambiental, empresa responsável pela limpeza urbana de Ituiutaba, as associações representativas do setor privado – FIEMG, SEBRAE, ACII, SINDICOMÉRCIO, CDL e SIPRI, as instituições de ensino superior – IFTM, FACIP/UFU, UEMG, UNOPAR e FTM, além do Jornal do Pontal e Sistema Cancella de Comunicação.

A sociedade Ituiutabana participou dos eventos, se mostrou interessada e trouxe muitas sugestões para diversos problemas relacionados ao “lixo” encontrados diariamente tão próximos de nós. A sensação de que esse tema esteja se tornando de mais fácil acesso nos traz esperanças para 2015.

Possibilidades

As possibilidades para esse ano “novo” são inúmeras. Ituiutaba possui características que a posicionam favoravelmente à luta contra o tempo para o atendimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS 12.305). Possuímos um aterro sanitário construído (embora sem Licença de Operação desde 2010) e uma Cooperativa de Reciclagem – a Copercicla ( que necessita urgentemente de ampliação de suas instalações), ambos em operação desde o começo dos anos 2000. Além disso, a população Ituiutabana contribui com a Copercicla, separando seus resíduos, e consequentemente minimiza o impacto ambiental causado pela má-gestão dos resíduos sólidos, especialmente no aterro sanitário.

Para o ano de 2015, as possibilidades serão construídas através das parcerias e prioritariamente as ações devem girar em torno das seguintes necessidades locais:

– aterro sanitário

– ampliação das instalações da Copercicla

– educação ambiental

-estruturação da logística reversa

– compostagem dos resíduos orgânicos

O diálogo está aberto e a Plataforma Ituiutaba Lixo Zero se orgulha de estar presente nessa sociedade. Agradecemos a TODOS que a sua maneira fizeram a diferença em 2014, que foram parceiros pontuais importantíssimos para as diferentes atividades desenvolvidas, que nos ajudaram a ampliar o debate, a esclarecer dúvidas, a crescer e aprender. Vocês foram demais!

Além de se orgulhar dessa sociedade, a Plataforma Ituiutaba Lixo Zero acredita fortemente que seremos capazes de ser exemplo. Para isso, sintam-se todos convidados ao diálogo. O espaço é aqui.

Feliz 2015 com mais “o que importa” e menos “lixo” para todos nós.