Arquivo da categoria: Coluna PILZ no Jornal do Pontal

Plataforma Lixo Zero promove encontro de empreendedores socioambientais com foco em lixo zero.

Foto_Publico_FinalO presidente do Instituto Lixo Zero Brasil, Rodrigo Sabatini, esteve em Ituiutaba no último sábado, 29 de julho, para um encontro com empreendedores socioambientais.

O evento pode ser interpretado como uma injeção de ânimo nos empreendedores de Ituiutaba.

Você pode assistir o encontro no facebook/plataformaituiutabalixozero

Rodrigo Sabatini apresentou um panorama das questões ligadas a gestão de resíduos sólidos no Brasil dentre elas:

  1. a diferença entre lixo, resíduo e rejeito;
  2. a problemática da incineração de resíduos ligada a educação infantil e cidadã, ou a falta dela;
  3. a importância da separação na fonte de resíduos recicláveis, orgânicos e rejeitos;
  4. a importância do encaminhamento correto e o trabalho da Copercicla em Ituiutaba, entre várias outras.

EMPREENDEDORISMO SOCIOAMBIENTAL

A mensagem-chave foi sobre o empreendedorismo como forma de transformação socioambiental da comunidade local.

Como cidadãos, pessoas comuns, podem promover uma mudança significativa que considere a viabilidade econômica, social e ambiental?

Antes de mais nada, para que esses cidadãos se tornem realmente capazes é preciso a disseminação de conhecimento sobre o lixo zero através de ações de capacitação.

Foi apresentada e discutida, portanto, a formação de um coletivo lixo zero na cidade de Ituiutaba para a realização do Fórum Municipal Lixo Zero, da Semana Lixo Zero e da participação de jovens universitários e do 2º grau no 4º Encontro Internacional da Juventude Lixo Zero.

FÓRUM MUNICIPAL LIXO ZERO

O Fórum Municipal Lixo Zero é um evento que existe para inspirar, ele vai acontecer em Ituiutaba, no mês de agosto.

Nele, não é permitida a entrada de problemas, mas sim de soluções.

Esse evento será organizado coletivamente e se você quer participar da organização, nos mande um alô O QUANTO ANTES por email, facebook, whatsapp, pois a agenda já começou.

Email: lixozeroitba@gmail.com

Facebook: Plataforma Ituiutaba Lixo Zero

Whatsapp: Vera Faria: 9.9639 0169

SEMANA LIXO ZERO

A Semana Lixo Zero é um evento que promove e apresenta uma série de ações para diferentes públicos sobre o quanto é possível mudar para melhor dentro de nossas casas e ambientes de trabalho e ad ministração pública.

Ela apresenta também as ações positivas de empresários que quebram a lógica da poluição e irresponsabilidade com o meio ambiente e sociedade e se tornam exemplo pra novos modelos de negócios.

ORGANIZAÇÃO E PÚBLICO 

Organizado pela Plataforma Ituiutaba Lixo Zero e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e com o apoio da UAITEC, o evento foi gratuito, com duração de duas horas e teve emissão de certificados.

A realização foi na sede da UAITEC, Rua 26 com 9 e 7, nº452 e contou com a presença de um público de mais de 60 pessoas, dentre elas representantes dos seguintes segmentos:

Prefeitura Municipal de Ituiutaba por meio da Secretaria de Governo, da Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Indústria e Comércio e do Centro de Controle de Zoonoses,  Copercicla – Cooperativa de Reciclagem de Ituiutaba, UAITEC, APAE, EMATER, TEAAR – Tijuco Arte e Artesanato, ASETI – Associação Ecológica do Tijuco, CONSERB – Conselho Regional de Brigadistas, FTM – Faculdade Triângulo Mineiro, IFTM – Instituto Federal do Triângulo Mineiro, formadores de opinião das áreas da saúde, ambiental e pública, professores e alunos universitários da UFU, Universidade Federal de Uberlândia e UEMG – Universidade Estadual de Minas Gerais e alunos do Colégio GVC.

Nosso muito obrigado à Rodrigo Sabatini e a toda equipe do Instituto Lixo Zero Brasil e nosso agradecimento especial a todos que participaram. Os convidamos a acompanhar, curtir e compartilhar nossas atividades pelos canais:

https://plataformaituiutabalixozero.wordpress.com/

https://www.facebook.com/plataformaituiutabalixozero

Instagram: @plataformaituiutabalixozero

 

Empresas se cadastram no Ecoponto de Embalagens de Óleos Lubrificantes

Empresas se cadastram no ECOPONTO de Embalagens de Óleos Lubrificantes e realizam descarte correto de embalagens plásticas.

E você, consumidor, também é responsável, basta escolher bem, saiba mais:

VOCÊ SABIA?

  1. Que embalagem de óleo lubrificante é resíduo perigoso e contaminante?
  2. Que VOCÊ, consumidor, também é responsável pelo descarte correto?
  3. Que em Ituiutaba existe um ECOPONTO para isso?

FAÇA A SUA PARTE, EXERÇA SUA RESPONSABILIDADE

Descarte a embalagem de óleo lubrificante nos locais abaixo:

  1. ECOPONTO, em frente a CASEMG
  2. Na empresa que você comprou e exija dela a destinação correta

 

ECOPONTO de Embalagens de Óleos Lubrificantes                                                          

O ECOPONTO de Embalagens de Óleos Lubrificantes viabiliza a logística reversa das embalagens de óleos lubrificantes no município de Ituiutaba.

O ECOPONTO de Embalagens de Óleos Lubrificantes é uma iniciativa da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero em parceria com a Prefeitura Municipal de Ituiutaba, através da Secretaria de Obras e da Secretaria de Meio Ambiente com o apoio do Centro de Controle de Zoonoses.

Fazem parte do Ecoponto, 34 empresas cadastradas que oferecem a seus clientes um serviço responsável com a destinação correta dos resíduos perigosos.

Dê sempre preferência às empresas com o selo ECOPONTO e seja você também responsável pelo desenvolvimento sustentável no município de Ituiutaba:

Auto Maiss

Auto Mecânica do Peteco

Auto Nível Centro Automotivo

Auto Pneus

Catatau Mecânica e Torneadora

CFL – Construtora Ferreira e Lima

Cunha Veículos

Futura Pneus

FV Diesel

Bozó Auto Peças

Marcelo Auto Center

RC Mecânica

Renato Motos

Revisa Auto Center

Silas Auto Mecânica

Silmac Retífica de Motores

Torneadora Universal

D’stak Centro Automotivo

Auto Peças Ricardo Balli

RicardoBalli

 

Auto Peças Quirino

QUIRINO

Autocar

AUTOCAR

Brazito Tratores

BRAZITO

Eletro Ar

ELETRO AR

Ford’s Car

FORD'S CAR

Guima Motos

GUIMA MOTOS

Imperial Diesel

IMPERIAL DIESEL

Inject Car

INJECTCAR

JR Peças e Oficina

JR

Mecânica 3 Amigos

MECÂNICA 3 AMIGOS

Mecânica Finholdt

M.Finholdt

Mecatril Tratores e Implementos Agrícolas

MECATRIL

Multi Motos

MULTI MOTOS

Oliveira e Brito

OLIVEIRA E BRITO

Unicar Centro Automotivo

UNICAR

 

LOGÍSTICA REVERSA / RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA

 

Para saber mais acesse: www.plataformaituiutabalixozero.wordpress.com e acompanhe as redes sociais do Ecoponto

Facebook do Ecoponto: www.facebook.com/ecopontoitba

Instagram: @ecopontolixozero

 

 

Você, empresário, que queira se cadastrar entre em contato através do telefone/ whatsApp: 9.9228 5281 e fale com a coordenadora do Ecoponto de Embalagens de Óleos Lubrificantes, Adelanne Borges.

Julho sem plástico. Você está pronto para o desafio?

na primeira década do séc. XXI foi produzido mais plástico do que nos últimos 100 anos, vais achar que é de loucos. A verdade é que estes números são reais. E a situação não tende a melhorar: prevê-se que até 2050 haja mais plástico no mar do que peixes.

A questão em torno do uso do plástico não é uma moda e é preciso explicar isto sobretudo à nossa geração: somos novos, temos energia, temos ideias, queremos fazer do mundo um lugar melhor; temos nas mãos uma oportunidade de mudar o rumo desta situação, e é importante que o façamos.

Você já reparou na quantidade de plástico que você usa durante um dia?

As garrafas de água que usa são, provavelmente, de plástico. A escova de dentes que usa é feita de plástico. Os sacos do lixo que tem em casa são de plástico. A maior parte da comida que você compra vem embalada adivinha em quê? Plástico. De cada vez que você vai às compras leva ou compra um saco de? Plástico. Agora pensa que mais de metade das pessoas que compartilham deste planeta fazem o mesmo, todos os dias.

Para agravar um bocadinho a situação, imagina agora a quantidade de plástico usada primeiro na sua casa, depois por todos os habitantes do seu bairro, depois por todos os que vivem na sua cidade. E agora pensa que todo esse plástico demora 2 gerações a decompor-se.

Atitude é tudo, e tudo é possível.

PlasticfreejulyaProblemaeSolucao

O JULHO SEM PLÁSTICO é um movimento criado por uma organização governamental australiana para alertar o consumo muitas vezes não consciente e desafiar-nos a reduzir o consumo de plástico durante o mês de Julho. 

O objetivo é que, passado um mês, você consiga trazer alguns hábitos desse mês sem plástico para a sua vida cotidiana. O top 4 da mudança é a redução das sacolinhas plásticas de supermercado, garrafas de água e refrigerante, canudos e copos descartáveis de plástico. A redução desses 4 materiais já te coloca num ótimo patamar de realização.

Continue seu desafio com os itens a seguir:

  1. Compre caixas, não garrafas: sabe quando vamos ao supermercado e encontramos, por exemplo sabão em pó em caixas de papelão e também em garrafas de plástico? Prefira produtos em caixas, pois a reciclagem é mais simples, barata e rápida.
  2. Compre a granel: se conseguir comprar arroz, feijão e grãos a granel, aproveite. O produto será o mesmo e você estará evitando embalagens de plástico. Uma dica é reutilizar sacolas de plástico que ficaram guardadas após sua última compra.
  3. Prefira potes de vidro: na hora de comprar um produto no supermercado, prefira aqueles em potes de vidro. Além de fazer bem a natureza, você também estará garantindo um item mais duradouro e seguro para armazenar alimentos e outros produtos.
  4. Utilize seus próprios potes e recipientes: ao levar para casa o que sobrou do jantar no restaurante, ou do almoço na casa de parentes, utilize seus próprios recipientes. Evite ter que comprar mais e mais potes de plásticos sempre que precisar transportar alimentos de um ponto a outro.
  5. Diminua os produtos de limpeza: sabia que dá para realizar grande parte das tarefas rotineiras de limpeza sem precisar comprar garrafas e mais garrafas de plástico de limpa-telha, limpa-banheiro, limpa-vidro, etc.? Muitos dos trabalhos podem ser executados com bicarbonato de sódio e vinagre, basta saber como utilizar e a medida exata para cada situação.

Faça parte do desafio global visitando o site (em inglês):

http://www.plasticfreejuly.org/

Adaptação das reportagens dos sites:

https://shifter.pt/2017/06/julho-sem-plastico/

http://www.pensamentoverde.com.br/dicas/16-maneiras-de-reduzir-o-consumo-de-plastico/

Associação Plataforma Ituiutaba Lixo Zero realiza palestra para Secretaria Municipal de Educação de Santa Vitória

Na última quinta-feira, dia 18 de maio, a Plataforma Ituiutaba Lixo Zero realizou uma palestra com perfil de bate papo, para professores, diretores e gestores da Educação pública municipal e estadual de Santa Vitória.

O convite para a realização de uma palestra que trouxesse uma perspectiva prática para a gestão de resíduos sólidos nas escolas municipais e estaduais e creches do município de Santa Vitória partiu da equipe da Secretaria Municipal de Educação capitaneada pela Secretária Municipal Francisca Vânia de Oliveira Silva.

Santa_Vitoria_Luciene assessora pedagógica, Alice, primeira Dama e secretaria de desenvolvimento social Mariza, secretaria de Educação Vania, e prof. Carlene
Luciene assessora pedagógica, Alice da Plataforma Lixo Zero, primeira Dama e Secretária de Desenvolvimento Social Mariza, Secretária de Educação Vânia,  e professora Carlene.

A Plataforma a foi então convidada a apresentar as perspectivas de redução, reutilização, reaproveitamento e reciclagem desses estabelecimentos, além de estratégias de engajamento e mudança de hábitos, para uma plateia de aproximadamente 100 pessoas. Durante uma hora e meia várias dúvidas foram sanadas e muito conhecimento compartilhado. Em tom de bate papo, os participantes fizeram perguntas, observações e apresentaram suas realidades para o grupo, a fim de compartilhar anseios e soluções.

As ações práticas de separação e destinação adequada para a coleta seletiva, propostas por Alice Drummond, diretora executiva da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, acabaram por contagiar respectivamente as diretoras das escolas, o representante dos catadores de recicláveis do município, ali presente, e o prefeito Salim Curi.  Num acordo firmado ali mesmo, comprometeram-se a incentivar a coleta seletiva nas escolas locais por meio do recebimento de recicláveis por parte dos alunos e funcionários.

Prefeito_santa_Vitoria_Salim_Curi

Santa_Vitoria_SecEducacao_Catador_Prefeito
Secretária de Educação Vânia,  Donizete que coleta e vende reciclável, prefeito Salim Curi no ato do acordo de incentivo da coleta seletiva no âmbito escolar.

A escola receberá um incentivo financeiro para tal e o valor arrecadado será revertido para melhoria das estruturas físicas da escola ou a compra de um material excepcional ou o que os alunos e professores decidirem juntos e previamente. A escola que tiver o melhor desempenho ganhará o transporte para uma viagem de final de ano, oferecido pelo gabinete do prefeito Salim Curi.

Santa_Vitoria_CarleneeAliceDrummon

A coleta seletiva em Santa Vitória iniciou-se há aproximadamente um mês e o município ainda dispõe de lixão. Ele faz parte do consórcio intermunicipal para o desenvolvimento sustentável – CIDES da AMVAP, além disso ele está inserido no Consórcio Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos e já recebeu o Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, no qual Santa Vitória figura entre Araporã, Canápolis, Centralina, Gurinhatã, Ituiutaba, Monte Alegre de Minas, Prata.

A gestão de resíduos sólidos em Santa Vitória promete!

Acompanhe o trabalho da Plataforma. Reduza, Recicle, Composte você também!

https://plataformaituiutabalixozero.wordpress.com/

https://www.facebook.com/plataformaituiutabalixozero/

 

Sarau de Quintal – evento limpo com a Plataforma Ituiutaba Lixo Zero

O Coletivo Sarjeta Cultural promoveu no último sábado, 29 de abril, entre 15h as 21h, em Ituiutaba, o Sarau de Quintal, no MUSAI – Museu Antropológico de Ituiutaba.

O evento reuniu por volta de 400 pessoas no total e apresentou e ofereceu diferentes opções de entretenimento entre elas: oficina de escrita e expressão corporal, palestra, troca de livro, fanzine, brechó, exposição de fotos e desenhos, desenho ao vivo, dança Stiletto, MPB, RAP, Blues, brinquedoteca, comida vegetariana e vegana, Maturesco, pupa-pula e artesanato.

O ingresso foi 1 quilo de alimento não perecível com o propósito de arrecadar alimentos para famílias carentes em Ituiutaba.

saraudequintal_cartaz

A Plataforma no evento

A Plataforma foi convidada a participar do evento e logo se disponibilizou a fazer toda a gestão dos resíduos produzidos.

Ação capitaneada por Ludmylla Arantes, diretora executiva da Plataforma, teve por objetivo, organizar, separar e coletar os resíduos produzidos pelo evento e encaminhar adequadamente os resíduos recicláveis para a Copercicla e demais para aterro sanitário.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para saber mais quais resíduos são coletados pela Copercicla acesse: http://www.copercicla.com

Ao todo foram necessários três coletores de bituqueiras e três lixeiras bem visíveis, às quais o público, segundo Ludmylla Arantes, “reagiu muito bem, foi muito educado e utilizou as lixeiras distribuídas no evento”. Ela completa “ o pessoal se comportou tão bem que ao final, se tivemos que recolher três ou quatro latinhas, foi muito”

A Plataforma se fez presente ainda através das presenças do secretário Roberto Alves de Lima, da segunda secretária Laiane Freitas e da segunda tesoureira Mara Rubia Barbosa Drummond.

Feliz de promover um evento limpo em Ituiutaba, a diretora executiva da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, Ludmylla Arantes comemora: “o resultado foi positivíssimo, pois o evento foi capaz de repercutir muito bem a cultura lixo zero em Ituiutaba, dando a certeza de que é possível tocarmos as pessoas com questões que são de interesse comum. Um evento limpo é de interesse de todos, não é? ”

Em breve, aqui, divulgaremos a quantidade de resíduos coletados e destinados para a Copercicla.

 Evento limpo, evento lixo zero é possível, basta você começar!

https://plataformaituiutabalixozero.wordpress.com/

https://www.facebook.com/plataformaituiutabalixozero

lixozeroitba@gmail.com

Compostagem Doméstica: será mesmo possível?

*Alice Drummond

Você sabia que cerca de 50% dos resíduos gerados em nossas casas é feito de resíduos orgânicos, dentre eles: cascas cruas de frutas, verduras e legumes, cascas de ovos, borra de café e grãos e sementes?

E que são esses os ingredientes perfeitos para a produção de um belo composto orgânico, mais conhecido como adubo, que pode servir de fertilizantes para a horta e plantas em geral?

Pois sim, os benefícios da prática da compostagem são enormes:

  1. Reduz a quantidade de resíduos enviados para aterro sanitário gerando economia aos cofres públicos, que pagam pelo peso coletado e ainda minimizam os impactos negativos sobre o meio ambiente;
  2. Reintroduz matéria rica em fertilizantes para o solo, adubando as plantas.
compostagemReginaMoura
Composto para ser presenteado (Foto1: Regina Moura)

Mas será mesmo possível fazer compostagem doméstica?

A Plataforma Ituiutaba Lixo Zero garante que sim e, nesse sentido, promove oficinas de produção de composteira e de compostagem, e atende grupo de pessoas interessadas em aprender a técnica, que é, por sinal, muito simples.

Para comprovar isso, apresentamos os resultados trazidos pela associada da PILZ – Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, Regina Moura, fisioterapeuta e Ituiutabana, que em dezembro de 2016 solicitou uma oficina de compostagem em sua casa.

Na ocasião passamos por três etapas:

  1. Definição do local: no caso dela o local definido foi um espaço de terra, direto no solo que recebe um pouco de sol e sombra. Em tempos de seca ela vai precisar aguar em alguns dias da semana.
  2. Demonstração da mistura NITROGÊNCIO / CARBONO: Nitrogênio são os resíduos orgânicos: cascas cruas de frutas, verduras, legumes, cascas de ovos, borra de café e grãos e sementes e, o carbono é a Serragem, nem muito grossa, nem muito fina.

A proporção é 1 para 2 – 1 nitrogênio para 2 carbonos.

Para cada porção de nitrogênio, ou seja, de resíduos, duas porções de carbono, ou seja, de serragem devem ser adicionadas.

Os resíduos devem ser misturados com uma porção de serragem e disposta no solo, na sequencia esse montinho deve ser coberto com a segunda porção de serragem para que se evite a proliferação do cheiro, mantendo assim todos os animais indesejados longe da compostagem.

3. E disposição no solo: Simples, limpo, seco e vivo!

Resultados práticos: Sim, é possível fazer compostagem doméstica

Três meses depois recebemos a seguinte mensagem da Regina Moura, associada da PILZ:

“Olha que maravilha: só hoje resolvi colher os frutos…. Estou impressionada! Sumiram TODOS os resíduos que se reverteram em uma “terra” pura, sem cheiro! Achei um pouco grossa, pois assisti a uma palestra e ganhei uma amostra: era mais fina a textura. Mas a minha está linda! ” (Depois soube que ela pode ser peneirada, mas preferi manter dessa forma).

“Estou achando o máximo! Quando vejo a lixeira quase vazia… é perfeito! Resolvi presentear e preparei essas embalagens para motivar familiares e amigos a fazerem o mesmo. Estou orgulhosa: ficou bonitinho e as pessoas que eu presentei amaram, disseram que vão colocar nos vasos e em jardins. ”

E ela ainda fecha sua fala dizendo que: “ Nesta quarta-feira irei à casa de uma amiga mostrar como fazer!!! Vamos multiplicando a ideia…”

compostagemReginaMoura2
O composto finalizado (Foto 2: Regina Moura)
compostagemReginaMoura3
Reduza o “lixo”. Faça compostagem! (Foto 3 – Regina Moura)

Taí, não temos dúvidas de que é possível fazer a compostagem doméstica, diminuir a quantidade de resíduos enviada a aterro sanitário, poupar os cofres públicos, diminuir o impacto nos solos e agua e ainda por cima participar de um movimento de enriquecimento dos solos, reintroduzindo fertilizante natural feito em casa e que pode ser presenteado às pessoas queridas.

E você? Já tentou ou quer começar?

Você já tentou fazer compostagem em casa? Teve resultados positivos ou algum problema? Quer continuar a tentar e aprender de uma vez por todas?

Conte conosco: forme um grupo de 10 a 20 pessoas e entre em contato conosco. lixozeroitba@gmail.com / 34. 99690 1979 e acesse nossas redes: https://plataformaituiutabalixozero.wordpress.com/

Facebook: https://www.facebook.com/plataformaituiutabalixozero/?ref=settings

Basta você começar!

* Alice Drummond – mestre em governança de resíduos sólidos pela Sorbonne Paris 3, consultora em gestão de resíduos sólidos pela Resíduo de Valor e diretora executiva da Associação Plataforma Ituiutaba Lixo Zero

CIDADES SUSTENTÁVEIS- Parte II

cidadesustentavelsymbiocity

Sérgio Jerônimo de Andrade*

 

Cidades sustentáveis, suas características e quais medidas elas adotam para ter esse título

 

As cidades sustentáveis tomam medidas para evitar:  a utilização inadequada dos imóveis urbanos; a edificação ou o uso excessivo ou inadequado em relação à infraestrutura urbana; a deterioração das áreas urbanizadas e a poluição e a degradação ambiental.

Outra preocupação das cidades sustentáveis é fazer com que a população:  faça um uso eficiente e sem desperdícios de água, energia, e sempre usando materiais renováveis; crie espaços multiuso para evitar desperdícios, colocando tudo num mesmo bairro e incentivando o transporte alternativo, para diminuir a poluição do planeta e melhorar o ecossistema mundial.

Características das cidades Sustentáveis:

 Áreas verdes por toda a cidade, para que não existam as poluições visual e do ar; área de produção agrícola, para que os alimentos não percorram grandes distâncias até chegar à população da cidade, evitando assim a utilização de meios de transporte (poluidores); utilização de energia através do gás metano, gerado com o tratamento de rede de esgoto e lixo, o que colabora com a diminuição do lixo e com a conservação da água; sistemas de reaproveitamento da água da chuva, para preservar a água potável; meios de transporte públicos (que utilizem o biodiesel) gratuitos para evitar a locomoção de automóveis individuais; prédios de no máximo quatro andares para que não exista a necessidade de elevadores; construções feitas a partir de materiais verdes e de localidade próxima, para não prejudicar o meio ambiente, além de serem feitas sob projetos sustentáveis, com alternativas de reaproveitamento de água e captação de luz solar ou eólica; sistema de coleta e reciclagem e reaproveitamento de todo o lixo produzido para que não haja poluição; sistema de escoamento e tratamento de água para evitar enchentes e reabastecer os rios; preservação das matas ciliares para que não haja assoreamento e poluição das águas.

 

Exemplos de cidades com práticas sustentáveis no Brasil: João Pessoa-PB, destaque na proteção de áreas ambientais; Extrema-MG, preservação de áreas protegidas e conservação das águas; Curitiba-PR, planejamento urbano voltado para a sustentabilidade; Paragominas-PA, combate ao desmatamento; Santana de Parnaíba-SP, cooperativa de catadores; Londrina-PR, eficiente programa de coleta seletiva do lixo.

Exemplos de cidades com práticas sustentáveis no mundo: Barcelona (Espanha) – mobilidade urbana e grande uso de energia solar; Copenhague (Dinamarca) – excelente na infraestrutura para o uso de bicicletas; Freiburg (Alemanha) –  programas eficientes voltados para o uso racional de veículos automotores; Amsterdã (Holanda) – mobilidade urbana; Viena (Áustria) – prioridade para a compra de produtos ecológicos por parte da prefeitura; Zaragoza (Espanha) – sistema eficiente voltado para a economia de água; Thisted (Dinamarca) – 100% de uso de energia sustentável.

Diante desse quadro verifica-se que há urgência em que se inicie um processo de discussão e reflexão mais amplo sobre a sustentabilidade, com uma maior participação das pessoas, através dos diversos setores de representação, fazendo com que o poder público e a sociedade busquem soluções mais efetivas na solução de seus problemas visando uma melhor construção da qualidade de vida nas cidades.

 

Sérgio Jerônimo de Andrade: Engenheiro Agrícola e Advogado. Doutor em Agronomia, Professor da UEMG e Presidente da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero.

 

 

 

CIDADES SUSTENTÁVEIS Parte I

cidadesustentavelsymbiocity
SymbioCity-Suécia

Sérgio Jerônimo de Andrade*

 

 

Segundo os especialistas no assunto, a palavra de ordem no mundo hoje é a sustentabilidade. E o seu significado está diretamente ligado às ações de planejamento, boa gestão, consciência política, participação, economia responsável, compromisso com os valores humanos, cuidados com a natureza e as pessoas, tudo numa ação local, mas, numa visão global.

No mundo em que vivemos, cerca de metade da população vive em áreas urbanas, e no Brasil 85% da população vivem nas cidades. E o que se observa com frequência é a falta de planejamento, o crescimento desordenado e o excesso de consumo que leva ao esgotamento dos recursos naturais.

O mundo está se urbanizando rapidamente. Há uma concentração significativa das atividades econômicas nas cidades. A América Latina e o Caribe apresentam as maiores taxas de urbanização. E nas cidades latino-americanas dois terços da população vivem em situações de pobreza. O que tem agravado sobremaneira os problemas sociais e ambientais, tornando-as altamente vulneráveis às mudanças climáticas e aos desastres naturais.

Uma cidade sustentável é uma cidade projetada considerando os impactos sócio-ambientais. Numa cidade sustentável o modelo e a dinâmica de desenvolvimento, além dos padrões de consumo, respeitam e cuidam dos recursos naturais e das gerações futuras.

As cidades sustentáveis são aquelas que adotam uma série de práticas eficientes voltadas para a melhoria da qualidade de vida da população, desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente. Geralmente são cidades muito bem planejadas e administradas. Atualmente existem várias cidades no Brasil e no mundo que já adotam práticas sustentáveis. Embora não podemos encontrar uma cidade que seja 100% sustentável, várias delas já praticam ações sustentáveis em diversas áreas.

 Principais práticas adotadas pelas cidades sustentáveis:

 – Ações efetivas voltadas para a diminuição da emissão de gases do efeito estufa, visando o combate ao aquecimento global; medidas que visam a manutenção dos bens naturais comuns; planejamento e qualidade nos serviços de transporte público, principalmente utilizando fontes de energia limpa; incentivo e ações de planejamento para o uso de meios de transporte não poluentes como, por exemplo, bicicletas; ações para melhorar a mobilidade urbana, diminuindo consideravelmente o tráfego de veículos; promoção de justiça social; destino adequado para o lixo; criação de sistemas eficientes voltados para a reciclagem de lixo; uso de sistema de aterro sanitário para o lixo que não é reciclável; aplicação de programas educacionais voltados para o desenvolvimento sustentável; investimentos em educação de qualidade; planejamento urbano eficiente, principalmente levando em consideração o longo prazo; favorecimento de uma economia local dinâmica e sustentável; adoção de práticas voltadas para o consumo consciente da população; ações que visem o uso racional da água e seu reaproveitamento; práticas de programas que visem a melhoria da saúde da população; criação de espaços verdes (parques, praças) voltados para o lazer da população; programas voltados para a arborização das ruas e espaços públicos.

A correta destinação dos resíduos sólidos é condição primordial para uma cidade sustentável. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), aprovada em agosto de 2010, trouxe importantes instrumentos para que municípios de todo o Brasil iniciassem o enfrentamento aos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos. A PNRS tem como pilar o princípio da responsabilidade compartilhada. Isso significa que indústrias, distribuidores e varejistas, prefeituras e consumidores são todos responsáveis pelos resíduos sólidos e cada um terá de contribuir para que eles tenham uma disposição final adequada.

Buscar um melhor ordenamento do ambiente urbano primando pela qualidade de vida da população é trabalhar por uma cidade sustentável. Melhorar a mobilidade urbana, a poluição sonora e atmosférica, o descarte de resíduos sólidos, eficiência energética, economia de água, entre outros aspectos, contribuem para tornar uma cidade sustentável.

Conheça na próxima coluna da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero no Jornal do Pontal alguns exemplos de cidades sustentáveis, suas características e quais medidas elas adotam para ter esse título.

* Sérgio Jerônimo de Andrade: Engenheiro Agrícola e Advogado. Doutor em Agronomia, Professor da UEMG e Presidente da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero.

 

Os cuidados com o meio ambiente na zona rural *Roberto de Alves Lima

Na área rural são muitas as preocupações no que se refere ao meio ambiente e desenvolvimento sustentável.

Estas vão desde o racional desmatamento, se necessário, para a abertura de novas áreas a serem cultivadas como pastagens ou plantio de lavouras, com a devida autorização dos órgãos governamentais responsáveis, até o escoamento da produção obtida.

Temos em Ituiutaba duas instituições da área:

  1. IEF: Instituto Estadual de Florestas, cuja equipe está capacitada e credenciada junto aos produtores quanto as questões que envolvem desmatamento e outras ações ambientais;
  2. EMATER-MG: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural, instalada no Parque JK, cuja equipe desenvolve, entre outros, os trabalhos com foco no Desenvolvimento Sustentável.

Logo no início da instalação de novas áreas de produção, ou mesmo em propriedades já consolidadas, deve-se preocupar com a localização de uma boa e higiênica fonte de água para o abastecimento da família, animais e plantas. Mesmo assim, é indispensável o uso de filtros de água para o consumo.

É importante que se faça um bom trabalho de coleta das águas pluviais com o uso de calhas nos telhados que direcionem as mesmas para recipientes adequados. Assim, elas poderão ser utilizadas nas hortas, pomares, jardins, na limpeza doméstica e das instalações dos animais e etc, racionando o uso da fonte de água mencionada acima.

 

PropriedadeRuralSustentavelEmbrapa
Acesse aqui e faça o dowload do folder da Embrapa

Entre outros cuidados ambientas, ainda podemos citar

  1. O escoamento adequado das águas de uso doméstico para que as mesmas não funcionem como fofos de doenças no quintal;
  2. A destinação correta do esgoto, com instalação de fossa sépticas, TVAP ou biodigestores da EMBRAPA;
  3. A separação de materiais passíveis de reciclagem e encaminhamento dos restos orgânico para produção de composto orgânico que pode ser enriquecido com esterco de animais;
  4. Quando necessário o uso de defensivos agrícolas, estes devem ser adquiridos com receituário agronômico e sua aplicação deve ser feita corretamente conforme as recomendações técnicas

 

 

É importante lembrar que ao adquirir qualquer defensivo agrícola ou pecuário, o comprador tem o compromisso de devolver o vasilhame para a empresa vendedora, obedecendo assim os princípios da logística reversa.

Com esses cuidados, o meio ambiente estará protegido, assim como a saúde do produtor e de outras pessoas.

Por último, precisamos lembrar que a conservação do solo é água é ponto crucial no preparo do solo para plantio de pastagens ou lavouras. Assim, após a locação de curvas de nível, devem ser construídos terraços e bolsões pois estas estruturas protegem o solo da erosão que tanto empobrece a fertilidade de nossas terras, além de evitar o assoreamento dos cursos d’água, que tantos prejuízos sofrem ao receber resíduos de defensivos.

Procedendo-se à prática de conservação do solo estamos protegendo as águas que são importantes para produtores à jusante da propriedade.

Em outros artigos voltaremos ao assunto da Produção Sustentável na Agricultura.Roberto Alves de Lima – Engenheiro Agrônomo, formado na UFV – Universidade Federal de Viçosa, extensionista rural de 1972 a 2003 na EMATER-MG e atual 1º Secretário da PILZ – Associação Plataforma Ituiutaba Lixo Zero.

Acesse: www.plataformaituiutabalixozero.wordpress.com ; www.facebook.com/plataformaituiutabalixozero ou envie email com sugestões ou perguntas para lixozeroitba@gmail.com

Acesse aqui para ler a coluna no Jornal do Pontal

Você já ouviu falar em IPTU Verde?

O IPTU Verde é uma realidade já adotada em diversos municípios brasileiros.

A ideia é que os cidadãos adotem práticas de preservação ambiental em imóveis residenciais e como contrapartida recebam desconto no IPTU – Imposto Predial e Territorial Urbano.

Cidades como São Carlos, São Bernardo do Campo, Salvador, Guarulhos e Curitiba, entre várias outras,  já concedem descontos no IPTU há alguns anos. As práticas mais recorrentes são:

  • Instalação de sistemas de captação de águade chuva
  • Reúso de água na habitação ou edificação;
  • Construção de cobertura vegetal;
  • Garantia de áreas permeáveis maiores do que as exigidas pela legislação local nos terrenos;
  • Instalação de placas fotovoltaicas para captação de energia solar;
  • Plantio de árvores na frente da residência.

Os cidadãos devem se inscrever no programa apresentando as práticas já adotadas. Eles passam por uma verificação por parte dos órgãos públicos responsáveis e, se devidamente adequados e aptos, passam a receber o desconto no IPTU.

O valor dos descontos varia de cidade para cidade, conforme os objetivos do município e também de sua arrecadação. Em São Carlos no ABC Paulista, por exemplo, para implantar o programa de fomento a iniciativas ambientais, “não houve renúncia de receita, uma vez que a prefeitura criou medidas compensatórias para o que deixou de arrecadar: aproximadamente R$ 50 mil em 2011, de um universo de R$ 48 bilhões”, conforme explica o secretário de finanças municipal, Paulo Almeida no ano de 2011. “E o ganho para a cidade é inquestionável; houve uma qualificação da paisagem e uma melhoria no controle da poluição”.

As metodologias usadas pelos municípios foram em geral construídas com base na relevância da ação para a cidade e no investimento do contribuinte em cada medida. Logo, se para o município de São Carlos o interesse maior era no controle da poluição e na rearborização da cidade, Guarulhos incentiva também os contribuintes que investem em novas formas de captação de energia.

A concessão de desconto no IPTU com base em características do imóvel que são favoráveis à cidade está em linha com o que a Constituição Federal chama de Função Social da Propriedade e, também, com o Estatuto das Cidades, já que, na medida em que a cidade tenha um Plano Diretor Urbano, ela poderá cobrar conforme a efetiva utilização do imóvel e sua função social.

Como os descontos e isenções afetam diretamente a arrecadação pública do município, é necessário “destacar no projeto de lei e em toda a discussão, de onde vai sair o dinheiro para a implementação da política ou apresentar a previsão orçamentária considerando a redução da arrecadação, no caso de incentivos”, explica Ana Claudia Utumi, sócia responsável pela área tributária do Escritório Tozzini Freire. Assim, “para que qualquer Legislativo (municipal, estadual ou da União) aprove uma lei que enseje renúncia fiscal é preciso uma previsão de qual será o impacto dessa renúncia nas contas públicas”, completa.

SALVADOR – BAHIA

IPTU Verde – Em Salvador, na Bahia, o programa oferece até 10% de desconto no IPTU para construções residenciais, empresariais, mistos ou institucionais que contemplem ações e práticas que reduzam os impactos ambientais em suas obras. O percentual de abatimento no valor do imposto, que pode ser de 5% (selo bronze), 7% (selo prata) e 10% (selo ouro), varia conforme a pontuação obtida através dos itens utilizados no imóvel, que são distribuídas em cinco eixos: Gestão Sustentável das Águas, Alternativas e Eficiência Energética, Projeto Sustentável, Emissões de Gases de Efeito Estufa e Bonificações.

iptu-verde-100-cidades-mais-sustentaveis-23-11

Essa iniciativa pública é benéfica a todo o município, que por sua vez, eleva seus patamares de sustentabilidade e consequentemente de qualidade de vida e preservação da mesma. É benéfica também aos cidadãos individualmente, pois esses gozam dos benefícios residenciais e, claro, tem desconto no IPTU, e, por fim, aos governos locais que adotam uma prática alinhada a uma visão de futuro e perenidade deixando assim um legado à população.

 

* Alice Drummond – mestre em governança de resíduos sólidos pela Sorbonne Paris 3, consultora em gestão de resíduos sólidos pela Resíduo de Valor e diretora executiva da Associação Plataforma Ituiutaba Lixo Zero

 

Fontes:

  1. http://infraestruturaurbana.pini.com.br/solucoes-tecnicas/16/artigo260567-1.aspx ;
  2. http://iptuverde.salvador.ba.gov.br/ ;
  3. http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/incentivo-ambiental-iptu.html;
  4. http://www.agenciadenoticias.salvador.ba.gov.br/index.php/pt-br/releases-2/geral/2709-salvador-entre-as-100-cidades-que-adotaram-as-melhores-praticas-sustentaveis;
  5. http://www.cbic.org.br/sala-de-imprensa/noticia/salvador-sustentavel-cidade-esta-entre-as-100-mais-sustentaveis-do-mundo
  6. http://www.100resilientcities.org/cities/entry/salvadors-resilience-challenge#/-_/