7 fatos que mostram a importância de consumir alimentos locais Por Thiago Lima

valorize2cosumolocal

Existem diversas vantagens em consumir alimentos e produtos produzidos localmente ou da região em que você vive. Listo abaixo algumas vantagens que mostram que um consumo consciente de produtos que tenham origem próxima a você podem proporcionar:

  1. Promove a economia local, proporcionando trabalhos em sua cidade e região;
  1. Polui menos pois aquele alimento não precisa viajar distâncias muito longas para o consumo;
  1. Menos lixo é gerado pois menos embalagem é necessária para o transporte desses alimentos e bebidas. Caso haja a necessidade de se levar o alimento a regiões mais distantes, é comum o uso de embalagens mais sofisticadas, contendo até materiais compostos.
  1. Produtos da estação são mais baratos. É importante prestar atenção na época em que existe mais oferta de determinados produtos no mercado. Por exemplo, para cada estação do ano existem frutas e legumes mais disponíveis para o consumo. O mesmo acontece com leites e derivados, como pode-se também reparar em seus preços. Comprando-se então produtos locais da época, além de se ter sempre produtos frescos, ainda se ganha no preço. E economizar sempre é a melhor parte.
  1. Embalagens simples são mais facilmente enquadradas como candidatas a serem recicláveis. Então, produtos com menos embalagens ou com embalagens mais simples (desde que protejam os alimentos) e recicláveis também devem ser preferidas. Nunca levamos em consideração que as embalagens podem percorrer um longo trajeto até chegar a fábrica dos alimentos e depois, então, ser enviados aos pontos de venda e, finalmente a casa do consumidor. Embalagens mais leves e mais simples demandam menos energia para ser fabricadas (em geral) e, portanto, são mais conscientes.
  1. Você economiza dinheiro pois os produtos locais em quase todos os casos são mais baratos que produtos que vem de longe, até mesmo de outros países.
  1. Você ajuda o planeta. Diminuindo o caminho entre a fabricação até a sua geladeira, menos combustível é gasto. Menos energia é gasta no processo todo, de maneira geral. Menos embalagem é gerada. Isso significa menos lixo.

Se incorporar essas práticas à sua rotina diária, aliado ao consumo consciente escolhendo as embalagens maiores e que podem ser recicláveis, você já está fazendo a sua parte para reduzir a poluição, o lixo e também consegue economizar um valor interessante, que pode fazer a diferença no final do mês.

Para conferir mais benefícios, confira no site da Akatu mais informações a respeito do consumo consciente: http://www.akatu.org.br/Temas/Consumo-Consciente/Posts/A-producao-local-mais-que-a-global

Passe essas informações às pessoas que conhece. Converse com seus amigos, vizinhos e familiares e vamos construir um mundo mais consciente.

 

*Thiago Lima: Tecnologia, Inovação, Educação e Empreendedorismo – É assim que mudamos o Brasil. Sou Engenheiro Eletricista, estudante de mestrado do Rochester Institute of Technology e Diretor de Marketing do site Embarcados. Faço parte da Plataforma Ituiutaba Lixo Zero onde escrevo para esse jornal regularmente.

Anúncios

Lixo: responsabilidade compartilhada

 

Por Ana Carolina Abdulmassih

Logo após o último réveillon, canais de notícias mostraram a condição deplorável da praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, repleta de lixo descartado de forma incorreta e irresponsável.

Durante o carnaval, a situação não foi diferente. Toneladas de resíduos jogados pelas ruas e avenidas de todo o país mostraram como ainda agimos de forma irresponsável e perigosa.

A população precisa compreender de que o lixo jogado nas ruas só traz consequências negativas, entope bueiros, causa enchentes e alagamentos, atinge o lençol freático, contamina a água do subsolo, degrada o ambiente, danifica o patrimônio público e ainda favorece a proliferação de animais causadores de doenças, como o mosquito Aedes Aegypti, prejudicando a saúde de toda a população.

Aliado a isso os governos locais, ou seja, as prefeituras municipais não reconhecem suas responsabilidades. Quem por aí viu lixeiras suficientes espalhadas durante o carnaval? De quem é a obrigação de colocá-las?

Independentemente de qualquer circunstância, essa postura é inaceitável.

Para começar a conversa, a prefeitura deve disponibilizar as formas adequadas para o descarte e então a população deve utilizar dessas alternativas. Certamente, se tivessem mais lixeiras espalhadas nos locais de festas públicas e particulares, o “lixo” espalhado pelo chão seria bem menor, facilitando o trabalho da coleta de “lixo”, gerando valor através da reciclagem.

02.15.imagem

Precisamos entender que o lixo não é um problema da população e nem somente da prefeitura municipal…o “lixo” é um problema que pode virar solução. Mas, para isso, deve ser encarado como de responsabilidade de todos, ou seja, responsabilidade compartilhada. Nesse contexto, cada um faz a sua parte e todos fazem algo.

Transformar o modelo de economia vigente, que envolve extrair, usar e descartar, é possível através do ciclo de reciclagem e compostagem, como sempre falamos por aqui.

A mudança de consciência deve acontecer em todas as situações, principalmente à partir do consumo, pois é importante que haja cuidado com os resíduos, sobretudo para a preservação da natureza. Até porque, ambiente limpo implica em pessoas saudáveis e felizes.

*Ana Carolina Abdulmassih – natural de Ituiutaba, estudou Direito na Universidade do Estado de Minas Gerais, filósofa por natureza, apaixonada pela vida e pelas relações sociais inerentes a ela, sempre em busca do saber, crescer e compartilhar, em prol de um mundo mais harmônico e sustentável.

 

Compostagem: transformação de “lixo” em adubo

Mais de 20 pessoas tiveram a oportunidade de aprender sobre a técnica da reciclagem do “lixo” de cozinha, na OFICINA DE COMPOSTAGEM #compostaItuiutaba, realizada pela Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, na última quarta-feira, dia 03 de fevereiro, na Fundação Espírita Jerônimo Machado.

Basicamente, eles aprenderam:

  1. a fazer uma composteira doméstica (com latas de 15 kilos de manteiga);
  2. a separar os resíduos de cozinha (cascas e restos de frutas, legumes e vegetais – Atenção: nada cozido!!!)
  3. a preparar a devida proporção de “carbono/nitrogênio” para a decomposição saudável (para cada 1 porção de resíduo misturar 2 porções de serragem ou folha seca e misturar bem).

Acesse aqui a apresentação do Matheus Eduardo e aprenda mais: Oficinadecompostagem_MatheusEduardo_PILZ_FEV_2016

IMG_0279

A compostagem é uma alternativa que gera inúmeros benefícios, tais como:

  1. Diminuir o “lixo”;
  2. Reciclagem do “lixo” de cozinha;
  3. Produção de adubo – produto natural sem agrotóxicos para ser usado em hortas e jardins.

Maria Gertrudes, fundadora da Fundação Espírita Jerônimo Mendonça, apresentou aos participantes o espaço que a FEJM utiliza para a “compostagem de quintal”, ou seja, a realizada em local aberto, e o Matheus Eduardo aproveitou para elucidar sobre algumas características  dessa forma de compostagem.

Houve também sorteio dos seguintes brindes:

– 1 composteira confeccionada durante a oficina;

– 500gr de húmus – produzido e oferecido pelo Matheus Eduardo;

– 3 mudas de flamboyant e 3 mudas de nim (Azadirachta indica): produzidas e oferecidas pela Maria Gertrudes (Fundação Espírita Jerônimo Mendonça).

A Plataforma Ituiutaba Lixo Zero ressalta que  resíduo é riqueza e que a multiplicação do conhecimento é poder. Através da compostagem grande parte do “lixo de cozinha” volta para o solo enriquecendo-o de nutrientes.

Siga a #compostaituiutaba e participe da PILZ.

IMG_0314
Participantes da Oficina de Composta #compostaItuiutaba

Fique atento também às próximas oficinas de compostagem que a Plataforma Ituiutaba Lixo Zero vai oferecer. Para sugestões escreva para lixozeroitba@gmail.com.